Pedal Laje dos Pires – 130 Km de chuva e muita lama

Pedal Laje dos Pires – 130 Km de chuva e muita lama
18 de fevereiro de 2015 gefe-silva

Companheirismo, Força, Dedicação, Bom Humor e Loucura. Misture isso com muita água e lama, e o resultado está aí.

Mais uma data para marcar a memória: 12 de Fevereiro de 2015. Foi este o dia escolhido para que novamente 9 ciclistas encarassem mais um desafio. O grupo não era exatamente o mesmo da vez passada, porém todos com a mesma disposição de sempre. Eu mais uma vez fui como carro de apoio.

Marcamos nossa saída para às 05:30 da manhã do centro de Jaraguá, sendo assim, era dia de acordar cedo. Neste dia ninguém acordou só, pois a chuva estava nos esperando para acrescentar um grau de dificuldade naquilo que já era difícil por si só, encarar 130 Km pedalando em uma região acidentada e em meio à mata não é tarefa fácil. Mas se fosse fácil não seria tarefa para esta equipe!

Nos encontramos às 05:00 e começamos a acomodar as bikes na carretinha da van que levaria os participantes até o ponto de largada. A chuva leve que caía não assustou ninguém, todos estavam ali para superar limites.

Chegamos no ponto de partida por vota das 06:30 da manhã e o sol não tinha dado nenhum sinal de vida até aquele momento. Hora de descarregar as bikes e começar a jornada. Nos primeiros quilômetros de asfalto e estrada de chão as luzes das bikes rompiam a escuridão e a neblina, anunciando a chegada deste grupo de atletas que eram observados pelos olhares espantados das poucas pessoas que estavam nas ruas naquela hora.

 Conforme o tempo foi passando o dia foi clareando e as modestas casinhas que nos acompanhavam foram ficando pra trás, mas a chuva, essa seguia firme conosco. Entramos em uma região de reflorestamento, onde provavelmente os únicos que por ali passam são madeireiros, trilheiros e mountain bikers malucos…

Em um determinado ponto chegamos no desafio do dia. Um pequeno trecho coberto por uma lama extremamente escorregadia e grudenta, daquela de travar as rodas da bike. Obstáculo vencido, porém as bikes estavam pesando o dobro devido a enorme quantidade de barro grudado nelas. Felizmente logo adiante havia uma lagoa que na ocasião serviu de tanque de lavagem de bicicletas. A única opção era mergulhar as bikes na água e raspar o barro.

Serviço executado e vamos adiante. A próxima parada foi na “Laje dos Pires” um lajeado de pedras no leito do rio, onde é possível atravessar de carro, à pé e é óbvio de bike, mesmo que isso signifique levar uns tombos até pegar o jeito. Neste momento teve gente que aproveitou para tomar banho e eliminar um pouco da lama que estava grudada na roupa.

Energias repostas e seguimos adiante. Em um determinado momento, a primeira falha do dia. O rolamento do pedal direito da bike do Vilson quebra e cai totalmente, sobrando somente o eixo. Por muita sorte, o Juliano tinha um pedal reserva do mesmo modelo, porém para o lado esquerdo (quem é que leva pedal reserva?! O cara levou…) A solução foi incorporar mais uma vez o espírito Mac Gyver, desmontar o pedal e usar as peças no pedal danificado. Funcionou!!!

Logo adiante, já em meio à civilização fizemos uma parada para um rápido lanche em um restaurante. Ali começamos a analisar com mais calma o preço cobrado pelo tempo chuvoso e pela lama: Suspensões travando, pastilhas de freios destruídas, correntes e engrenagens comprometidas e por aí vai.

Deste ponto pra frente o passeio fica mais fácil, pois as descidas começas a aparecer, aliviando um pouco o cansaço. Porém as pastilhas gastas causam preocupação e exigem cautela, tirando um pouco da emoção de poder descer em velocidade mais alta. Poucos Km adiante e surge a primeira barragem (que na verdade é a segunda de um conjunto de 3) do trajeto, proporcionando uma bela paisagem para o grupo. Seguimos contornando parte dela e então pegamos a rua que nos leva até a outra barragem, esta já conhecida por alguns participantes.

Mais algumas pedaladas e era hora de encarar a descida da serra do Jaraguazinho! 7 Km de estrada estreita, íngreme e extremamente esburacada. Os que ainda tinham freios se largaram na frente. Os que estavam com os freios comprometidos seguiram com cuidado para garantir um final feliz.

Cumprida esta etapa só restava superar o trecho de asfalto que liga o bairro Garibaldi ao centro de Jaraguá. Chegamos por volta das 19:00. Todos estavam cansados e cobertos de lama porém com a certeza de mais um desafio concluído.

Fica aqui mais uma vez os meus parabéns à essa turma que encara um pedal deste nível com extremo bom humor. Só quem está junto sabe o quanto rimos durante o trajeto, pena que nem tudo pode ser compartilhado nos vídeos, pois são situações e piadas do momento, que fora do contexto não teriam o mesmo impacto.

Um forte abraço à todos e até a próxima.

Geferson da Silva

Track TV.


Clique na miniatura para abrir o álbum.

Pedal Laje dos Pires - 14-02-2015
Pedal Laje dos Pires - 14-02-2015fev 18, 2015Photos: 144
 


 Assista o vídeo